Blog

Post Photo

Tocar instrumentos musicais protege a saúde do cérebro

Um estudo recente realizado na "Baycrest Health Sciences", descobriu uma peça crucial sobre o fato de que tocar um instrumento musical pode ajudar os adultos mais velhos a manter suas habilidades auditivas e afastar os declínios cognitivos relacionados à idade.

O estudo, publicado no "Journal of Neuroscience" em 24 de maio, descobriu que aprender a tocar um instrumento musical altera as ondas cerebrais melhorando as habilidades auditivas da pessoa em um curto período de tempo. Essa mudança na atividade cerebral demonstra a habilidade do cérebro de se reeditar e compensar lesões ou doenças que podem prejudicar a capacidade de executar tarefas.


O ESTUDO

O estudo envolveu 32 jovens adultos saudáveis com a saúde auditiva normal e sem histórico de distúrbios neurológicos ou psiquiátricos.

As ondas cerebrais dos participantes foram registradas pela primeira vez enquanto ouviram sons parecidos com um sino de uma tigela de canto tibetano (um pequeno sino batido com um malho de madeira para criar sons). Depois de ouvir a gravação, metade dos participantes receberam a tigela de canto tibetano e tiveram de recriar os mesmos sons e ritmos acertando-a, e a outra metade recriou o som pressionando uma tecla no teclado do computador.

"O ato de tocar música exige que muitos sistemas cerebrais trabalhem em conjunto, como a audição, o motor e os sistemas de percepção. Foi a primeira vez que vimos mudanças diretas no cérebro após uma sessão, demonstrando que a ação de criar música leva a uma forte mudança na atividade cerebral"
Dr. Ross. Professor de biofísica médica na Universidade de Toronto.

Esta descoberta apoia a pesquisa do Dr. Ross usando treinamento musical para ajudar os sobreviventes de AVC a reabilitar os movimentos motores dos membros superiores. Os cientistas de Baycrest têm um histórico de avanços sobre como o conhecimento musical de uma pessoa afeta as habilidades auditivas e a função cognitiva à medida que envelhecem, e continuam a explorar como o cérebro muda durante o envelhecimento, impactando a audição.


"A música tem sido conhecida por ter efeitos benéficos no cérebro, mas houve uma compreensão limitada sobre o que a diferença que a música faz. Este é o primeiro estudo a demonstrar que aprender o movimento necessário para reproduzir um som em um instrumento, altera a percepção do som no cérebro de uma maneira que não é vista ao ouvir música".
Dr. Ross.

As próximas etapas do estudo envolvem a análise da recuperação entre pacientes com AVC através do treinamento musical e seu impacto no cérebro de adultos mais velhos, em comparação com a fisioterapia.


Fonte: Audiology Online

Conheça quem escreve

Voltar